noticias.png
Buscar
  • Anderson Rocha

O que poderíamos fazer pela dança nesse momento?

2021. O ano de 2020 foi pausa. E das grandes. Diferente, intensa, imposta e necessária. A pandemia que já circulava por alguns países, como China, França e Itália, desce a América do Sul e revela-se uma ameaça à saúde de todos. O Brasil começa a divulgar os primeiros casos do covid-19 e procedências de segurança implicam em uma reclusão. Veio a hora da quarentena. Precisamos evitar o convívio social. O contato uns com os outros. Eventos cancelados. Aulas canceladas. Escolas, comércio, indústrias, tudo se fecha. O planeta é atingido em cheio. Cada vez mais países sofrem com a realidade da vez. As ruas de grandes metrópoles como Rio de Janeiro, totalmente vazias (foto abaixo).




Algumas palavras se destacam diante ao que se vê: Medo. Cuidado. Solidariedade. Adaptação. Esses elementos ditam os passos enquanto tentamos entender o que de fato está acontecendo. Quanto tempo isso tudo vai durar? O que podemos fazer para cuidar da #saúde de todos e da #economia que alerta o caos? Como manter o reinício que começara sem o contato direto e presencial? As dúvidas passeavam enquanto não podíamos ir à rua. Mas como em todas as crises, em todos os momentos, existem os que pensam no problema e reclamam somente e os que buscam a solução e fazem algo.



O que vimos no #mercadodadança foram iniciativas (inicialmente acanhadas) em torno de aulas virtuais (foto acima), desconfiança desse formato por pais, alunos e até mesmo professores, dificuldade de adaptação, problemas para manter a qualidade nas etapas exigidas nesse novo momento (gravação, edição, transmissão das aulas). Sim, houve esforço de muitos para equilibrar o que se podia. Mas o tempo parecia correr, sem sincronismo com as necessidades e todas as incertezas que saltavam à nossa frente. Alguns meses se vão sem o toque e o abraço. Empreendedores se desdobram para resolver pendências inesperadas. A sobrevivência é o fator determinante. Um número crescente a cada dia de pessoas lutando para livrar-se dos sintomas trazidos pelo vírus. Outros, lutando pela sobrevivência de seu trabalho, sonhos, resultados de anos de dedicação. Não é uma comparação ou disputa de valores, mas fatos. Todos sofrendo ao mesmo tempo e procurando saídas. Muita gente começa a perceber a importância de princípios valiosos para sairmos dessa situação, e minimizar ao máximo os efeitos que levaríamos conosco. Nota-se que a interação saudável dos relacionamentos nos faz falta. Percebemos o quanto o movimento, as atividades físicas, a arte, o silêncio, se revelam mais do que necessários para nossa saúde física e emocional. Vemos de muito perto a nossa própria fragilidade. Muitos fixando com coragem, outros disfarçando o olhar em risos e distrações sem objetivos maiores. Mas todos na mesma #dança.




Trago em mim, há mais de 20 anos, duas profissões que realizo com inteira dedicação e vocação. Sou #profissionaldemarketing e #produtorcultural. Com o marketing costumo cuidar dos negócios de nossos clientes, auxiliar na trajetória de empreendedores, ajustando focos, realizando treinamentos e ações de marketing. E nesse período procuramos entender com agilidade, as suas novas necessidades e ansiedades. Foi assim que direcionamos nossas ações para as soluções desses 'novos problemas'. Pudemos acelerar o processo de mudanças desses empreendedores, pois já navegamos nos mares do marketing (off e online) há muitos anos. Como produtor, trazia algumas perguntas para nossa equipe. Já havíamos entendido que em 2020 não seria possível realizar a Expodance de forma presencial, como tem sido há 24 anos.


Nosso olhar sempre esteve voltado para contribuir com o mercado da dança, através de várias vertentes. Logo, a nossa pergunta central passou a ser: 'O que poderíamos fazer pela dança nesse momento?'

Nos articulamos, criamos parcerias, participamos de editais, nos unimos com profissionais (incansáveis) dos mercados da dança, da saúde e do marketing, para realizar em um novo formato a Expodance | ConadanSa 2021.



A programação do projeto em 2021 incluirá: Lançamento do documentário: 'Expodance Duas Décadas de Dança'; espetáculos; debates sobre o mercado da dança, workshops e palestras sobre dança e saúde (ConadanSa - Congresso Nacional de Dança e Saúde), com grandes especialistas. Tudo online e gratuito.



Acreditamos, de verdade, que todos esses profissionais juntos, tudo que cada um tem a dizer, provocará uma imensa transformação na vida de muita gente.

Desde #empreendedores, donos de espaços e escolas de dança, #diretores, #coordenadores, #coreógrafos, #professores e #bailarinos, que receberão em diversos pontos de nossa programação, conteúdos capazes de impulsionar seus negócios, ampliar sua visão sob o mercado que atuam e revelar fontes de motivação e inspiração; até pessoas que precisam de estímulo e conhecimentos para vencer doenças como a depressão e a ansiedade, por exemplo. Descobertas ao redor da dança que contribuem para a saúde de forma integral. Para isso, contamos com cada pessoa, para compartilhar as informações sobre o evento. Todos podem e devem participar.


A Programação da Expodance - Mostra de Dança e do ConadanSa - Congresso Nacional de Dança e Saúde será divulgada em breve.



Por: Anderson Rocha O publicitário fundou a Agência Articule em 1997.  Responsável por diversas campanhas publicitárias, consultorias de marketing e projetos culturais, como a Mostra de Dança Expodance (realizada há 24 anos) e shows de grandes nomes como Jorge Vercillo e Detonautas. Acumula mais de 20 anos trabalhando diretamente na trajetória de vários empreendedores, ajustando focos, treinando equipes e líderes e gerando grandes resultados com ações de marketing. Entre várias especializações, é Business Coach, formado pelo Instituto Américas Coaching, certificado pela International Coaches and Leaders Association - Orlando - FL. Anderson Rocha é criador de cursos e treinamentos, como o Ajust. e o Encant.